WWW.THESES.XLIBX.INFO
FREE ELECTRONIC LIBRARY - Theses, dissertations, documentation
 
<< HOME
CONTACTS



Pages:     | 1 |   ...   | 93 | 94 || 96 | 97 |   ...   | 153 |

«FICHA TÉCNICA Título Segurança e Higiene Ocupacionais - SHO 2012 - Livro de Resumos Autores/Editores Arezes, P., Baptista, J.S., Barroso, M.P., ...»

-- [ Page 95 ] --

Entretanto, é importante relembrar que os papéis assumidos pelo ergonomista em intervenção estarão sempre em transformação. Isto porque tanto a disciplina quanto os objectos de estudo continuam a evoluir e a modificar-se, o que exige que o ergonomista adapte constantemente as suas práticas, e logo, a sua actividade de trabalho. É portanto essencial que o profissional da ergonomia reflicta constantemente sobre a sua própria actividade de trabalho e sobre quais são as possibilidades de intervir de forma mais eficiente na realidade dos contextos industriais, e a partir daí cumprir o seu papel primordial de transformar as situações de trabalho.

5. REFERÊNCIAS Béguin, P. (2007). O ergonomista, ator da concepção. In Falzon, P. (Ed.), Ergonomia (pp. 317-330). São Paulo: Editora Blucher.

Daniellou, F. (2007). A ergonomia na concepção de projetos de sistemas de trabalho. In Falzon, P. (Ed.), Ergonomia (pp. 303-315).

São Paulo: Editora Blucher.

Daniellou, F. (2006). Entre a experimentação regulada e a experiência vivida: as dimensões subjectivas da actividade do ergónomo em intervenção. Laboreal 2(1), 64-72. Retrieved October, 2011, from http://laboreal.up.pt/revista/artigo.php?id=48u56oTV65822354446493:752 Duarte, F. (2000). Complementariedade entre ergonomia e engenharia em projetos industriais. In Duarte, F. (Org.). Ergonomia e projecto na indústria de processo contínuo. Rio de Janeiro: Editora Lucerna.

Falzon, P. (2007). Natureza, objectivos e conhecimentos da ergonomia. In Falzon, P. (Ed.), Ergonomia (pp. 3-19). São Paulo: Editora Blucher.

Garrigou, A. (1994). La compréhension de l´activité des concepteurs, un enjeu essentiel. Actes de Journées de Bordeaux sur la pratique de l´érgonomie. Mars 1994, 21-45.

Guérin, F., Laville, A., Daniellou, F., Duraffourg, J., Kerguelen, A. (2001). Compreender o trabalho para transformá-lo: a prática da ergonomia. São Paulo: Edgard Blücher.

Lamonde. F. (2007). As prescrições dos ergonomistas. In Falzon, P. (Ed.), Ergonomia (pp. 331-342). São Paulo: Editora Blucher.

Martin, C. (2000). Maîtrise d´ouvrage, maîtrise d´oeuvre, construire un vrai dialogue: la contribution de l´ergonome à la conduite de projets architectural. Toulouse: Octarès Éditions.

Wisner, A. (1987). Por dentro do trabalho. São Paulo: FTD.

Conforto Térmico em Clínicas de Medicina Física e Reabilitação – O Caso dos Ginásios Terapêuticos Thermal Comfort in Physical Medicine and Rehabilitation Centers – The Case of Therapeutic Gyms Moreira, Camiloa; Monteiro, Pedro R.R.b; Góis, Joaquimc; Miguel, A. Sérgiod a DEMSSO/FEUP, R. Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto, Portugal, pee10022@fe.up.pt; b ATCCF/ESTSP-IPP, R.

Valente Perfeito, 322, 4400-330, Vila Nova de Gaia, Portugal, pmonteiro@estsp.ipp.pt; c DEM/CIGAR/FEUP, R. Dr.

Roberto Frias, 4200-465 Porto, Portugal, jgois@fe.up.pt; d DPS/UM, Campus de Azurém, 4800-058 Guimarães asmiguel@dps.uminho.pt

1. INTRODUÇÃO Nas últimas décadas o ambiente interior tem vindo a adquirir uma crescente importância, essencialmente pelo facto de o ser humano passar mais de 90% do seu tempo dentro de edifícios. O conceito de ambiente interior é complexo e engloba factores ambientais, fisiológicos e comportamentais (Djongyang, Tchinda, & Njomo, 2010).

O conforto térmico é definido pela American Society of Heating, Refrigerating and Air-Conditioning (ASHRAE), através da norma 55, como a “condição da mente que expressa satisfação com o ambiente térmico” (ASHRAE, 2003). Este é influenciado por factores individuais, sócio-culturais e organizacionais, não traduzindo uma condição estática, mas sim um estado de espírito. O julgamento do conforto é, portanto, um processo cognitivo envolvendo vários inputs (Djongyang et al., 2010; Parsons, 2000).

Os serviços de saúde constituem locais de trabalho bastante peculiares, sendo concebidos, quase exclusivamente, em função das necessidades dos utentes. Estão dotados de sistemas técnicos muito próprios, proporcionando aos ocupantes condições de trabalho desajustadas (Uva, 1992).

As clínicas de medicina física e reabilitação incorporam uma diversidade de profissionais de saúde e pacientes, com condições de saúde distintas. Os pacientes apresentam menor taxa metabólica que os profissionais, dada a passividade dos tratamentos, beneficiando, de uma temperatura efectiva superior. Para além do largo espectro de patologias, tomam normalmente medicamentos, que afectam o metabolismo. Os profissionais de saúde executam técnicas, com diferentes exigências metabólicas, o que torna impossível a adequação do ambiente térmico às circunstâncias (Parsons, 2000).

Segundo Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho (AESST), o desconforto térmico é um dos riscos emergentes nos locais de trabalho, tendo influência na produtividade e na adopção de comportamentos seguros, com o consequente aumento da ocorrência de acidentes (AESST, 2006). Em Portugal não existe legislação específica para o ambiente térmico das clínicas e este não é, habitualmente, controlado. As únicas referências legislativas, a este respeito, encontram-se na Portaria nº1212/2010, de 30 de Novembro, e apenas estabelecem que, para os ginásios terapêuticos, a temperatura deve situar-se entre 20 e 25ºC e a humidade entre 55 e 75%.





O presente trabalho teve, como principal objectivo, analisar e avaliar as condições de conforto térmico em ginásios terapêuticos de clínicas de medicina e reabilitação física na área do Grande Porto, com base no índice PMV-PPD (Predicted Mean Vote - Predicted Percentage of Dissatisfied) proposto pela norma ISO 7730:2005. Analisaram-se ainda as sensações térmicas dos fisioterapeutas, através de um questionário baseado na norma ISO 10551:1995, bem como as diferenças no cálculo do metabolismo, e consequente PMV-PPD, através de dois métodos diferentes.

2. MATERIAIS E MÉTODOS A recolha de dados foi realizada nos meses de Maio e Junho de 2011, em três clínicas de medicina física e reabilitação do Grande Porto, sendo a amostra constituída por 14 fisioterapeutas que se encontravam a exercer as suas funções.

Para a medição das variáveis ambientais, foi utilizada uma estação microclimática de marca Babuc® (anemómetro, psicrómetro, termómetro, termómetro de globo, unidade de armazenamento e processamento com display). Foi avaliada a temperatura do ar (ºC), a temperatura de globo (ºC), a humidade relativa do ar (%) e a velocidade do ar (m/s).

O isolamento térmico do vestuário (clo) foi determinado a partir dos valores da tabela de isolamento térmico do vestuário da norma ISO 7730:2005, mediante as informações dos indivíduos no questionário.

A taxa metabólica dos fisioterapeutas foi estimada a partir de dois métodos:

- Método 1: Observação dos métodos de trabalho e tarefas desenvolvidas na actividade predominante, baseada na metodologia descrita para o nível 2 (Observação) da norma ISO 8996:2004;

- Método 2: Registo da frequência cardíaca (nível 3 – Análise), calculada a partir da derivação II do ECG, recorrendo ao sistema bioPLUXresearch®. Foram usados os softwares MonitorPLUX, versão 2.0 (Plux, Lisboa, Portugal) e Acqknowledge® versão 3.9 (Biopac Systems Inc. Goleta, CA, USA).

Para a obtenção das sensações térmicas foi utilizado um questionário baseado na norma ISO 10551:1995.

As medições das variáveis ambientais seguiram as recomendações da norma ISO 7726:1998, relativamente ao posicionamento do equipamento. As medições foram efectuadas durante uma hora de trabalho, num local representativo do ambiente a caracterizar. Simultaneamente, foi avaliada a frequência cardíaca dos indivíduos durante o trabalho.

O cálculo do índice PMV-PPD foi realizado no programa Excel (Office 2007), baseado na norma ISO 7730:2005.

Realizou-se uma análise estatística descritiva e inferencial (teste Wilcoxon Mann-Whitney, com um nível de

Occupational Safety and HygieneInternational Symposium on

significância de 0,05). Utilizou-se ainda o Programa Andad, versão 7.12, para a realização de uma análise de componente principais, na tentativa de encontrar as estruturas inter-relacionais entre as variáveis, entre os indivíduos e, um projecto simultâneo de indivíduos/variáveis, as similitudes versus oposições destas entidades nos planos factoriais.

3. RESULTADOS E DISCUSSÃO A amostra estruturada foi constituída por todos os fisioterapeutas que desempenhavam funções nos ginásios das clínicas, totalizando 14 indivíduos, junto dos quais se recolheram as variáveis pessoais, objectivas e subjectivas.

Na tabela 1 encontram-se descritos os valores das variáveis ambientais, temperatura, humidade e velocidade do ar, em termos de média e desvio padrão. A temperatura do ar apresentou valores médios de 22,7 ºC, encontrando-se dentro dos valores recomendados (20-25ºC) pelo artigo 19 da Portaria nº1212/2010, de 30 de Novembro. Devido às diferentes actividades metabólicas (por um lado fisioterapeutas, com elevado metabolismo, por outro pacientes, com baixo metabolismo), este valor de temperatura pode ser considerado um valor elevado e, por outros, baixo.

Em termos de humidade relativa, as clínicas apresentavam um valor médio de 63,6%, o qual se encontra dentro dos valores aconselhados (55-75%) pelos diplomas supracitados. Apesar de a norma ISO 7730 referir que a humidade tem um impacto mínimo em ambientes moderados, uma percentagem muito elevada de humidade impede a evaporação do suor, reduzindo a resistência do organismo. Por outro lado, uma baixa humidade leva a uma excessiva evaporação.

Em termos de velocidade do ar, a legislação é omissa. No entanto, verifica-se um valor médio (0,03m/s) inferior ao recomendado para outros espaços de serviços.

–  –  –

Sobre a matriz com a informação de todas as variáveis, efectuou-se uma aplicação no âmbito da estatística multivariada, tendo-se, em particular, utilizado uma Análise em Componentes Principais. Procurou-se, desta forma, evidenciar as relações entre as variáveis em análise. Os outputs obtidos (planos factoriais com os eixos 1, 2 e 4) permitiram a interpretação do sistema de interdependência relacional de 91% da variabilidade total da nuvem de projecções.

–  –  –

Pela análise dos componentes principais, é possível verificar que as variáveis metabolismo e PMV-PPD apresentam uma forte correlação positiva entre si, podendo ser agrupadas, independentemente do método utilizado para o seu cálculo. O metabolismo calculado pelo método 2 apresenta uma correlação negativa com o PMV-PPD, superior à correlação do metabolismo calculado pelo método 1 com o PMV-PPD. Uma vez que a actividade dos fisioterapeutas é desenvolvida essencialmente pelos membros superiores, a presença de barorreflexos de origem nervosa simpática aumenta a frequência cardíaca o que pode não corresponder a um aumento do metabolismo (Tokizawa, K., et al. 2006).

No eixo 2 os resultados são essencialmente explicados pelas variáveis peso e altura, que apresentam uma correlação positiva forte. Uma vez que os indivíduos apresentam o Índice de Massa Corporal dentro de valores normais, é natural a existência desta correlação.

–  –  –

No que respeita à variável subjectiva, na figura 2, é possível observar, em termos de percentagem, a sensação térmica dos indivíduos, resultante da escala de 7 sensações. Verifica-se que a maioria dos indivíduos (57,1%) classificou o ambiente térmico como Ligeiramente Quente, embora fosse expectável que o classificasse como neutro ou confortável. No entanto, apenas 28,6% dos indivíduos assim o sentiram. O vestuário usado, e sobretudo a actividade metabólica durante a actividade profissional, podem justificar esta percepção do ambiente térmico.

Na tabela 2 encontram-se expressos os índices de conforto térmico, calculados de forma objectiva e a avaliação subjectiva a partir da sensação dos indivíduos durante a avaliação.

–  –  –

Analisando os resultados da tabela 3, verifica-se que os índices PMV-PPD, calculados de forma objectiva a partir do método 1 e do método 2, se encontram dentro da gama recomendada (-0,5 a +0,5), estando configuradas situações de conforto térmico. No entanto, quando comparado o PMV-PPD com a avaliação subjectiva, é possível perceber que existem discrepâncias entre as duas abordagens. O resultado obtido, através do questionário, é superior ao que teve por base as medições (PMV-PPD objectivo) e à gama recomendada, o que revela um ligeiro deslocamento à direita na escala proposta por Fanger (1972). Sendo o conforto térmico influenciado por diferentes factores, como o humor, a cultura, factores individuais, sociais e organizacionais (Djongyang et al., 2010; Parsons, 2000), é natural que a percepção subjectiva seja diferente da avaliação objectiva, uma vez que se trata de um processo cognitivo individual.

Comparando os dois métodos utilizados no presente estudo, para cálculo do metabolismo e consequente índice PMVPPD, verifica-se que não existem diferenças estatisticamente significativas entre ambos. Embora o método 2, baseado no registo da frequência cardíaca, seja mais preciso, não se verificaram diferenças significativas entre os dois métodos.

Pode colocar-se em causa a adequabilidade do índice PMV-PPD para este tipo de população, podendo ser necessário aferir a existência de índices específicos para este tipo de população e ambientes ou ainda desenvolver índices que permitam determinar adequadamente o conforto térmico em meio hospitalar.

4. CONCLUSÕES Este estudo permitiu concluir a possível inexistência de desconforto térmico a partir do cálculo dos índices térmicos de conforto. Na análise subjectiva, baseada nas sensações térmicas, verificaram-se resultados ligeiramente diferentes, evidenciando um ligeiro desconforto térmico.

Foi possível verificar-se não haver diferenças significativas nos índices PMV-PPD, calculados pela observação da actividade e pelo registo da frequência cardíaca, bem como a existência de uma boa correlação entre ambos.

5. REFERÊNCIAS AESST. (2006). Previsões de peritos sobre os riscos físicos emergentes associados à segurança e saúde no trabalho, Facts No60.



Pages:     | 1 |   ...   | 93 | 94 || 96 | 97 |   ...   | 153 |


Similar works:

«Evolving Multi-line Compilable C Programs Michael O'Neill & Conor Ryan Dept. Of Computer Science And Information Systems University of Limerick Ireland fMichael.ONeilljConor.Ryang@ul.ie Abstract. We describe a Genetic Algorithm called Grammatical Evolution (GE) that can evolve complete programs in an arbitrary language using a variable length linear genome. The binary genome determines which production rules in a Backus Naur Form grammar de nition are used in a genotype to phenotype mapping...»

«Table of Contents UNITED STATES SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION Washington, D.C. 20549 FORM 10-K (Mark one) ANNUAL REPORT PURSUANT TO SECTION 13 OR 15(d) OF THE SECURITIES EXCHANGE ACT OF 1934 For the fiscal year ended March 31, 2015 or TRANSITION REPORT PURSUANT TO SECTION 13 OR 15(d) OF THE SECURITIES EXCHANGE ACT OF 1934 For the transition period from to Commission File Number 000-16449 TIGERLOGIC CORPORATION (Exact Name of Registrant as Specified in Its Charter) Delaware 94-3046892...»

«Manual del Usuario para Nokia 303 Edición 1 2 www.nokia.com/support Contenido Indicadores 25 Copiar contactos o imágenes del teléfono Seguridad 5 antiguo 26 Cambiar el volumen de Inicio 7 una llamada, canción o Teclas y partes 7 video 27 Escribir con el teclado 8 Llamadas 28 Insertar una tarjeta SIM Hacer una llamada 28 y una batería 9 Llamar al último Insertar una tarjeta de número que se marcó 28 memoria 14 Ver las llamadas Cargar la batería 16 perdidas 28 Colocar una correa de...»

«International Negotiation 13 (2008) 11–36 www.brill.nl/iner Civil Society and Peace Negotiations: Confronting Exclusion Anthony Wanis-St. John* American University, School of International Service, 4400 Massachusetts Avenue NW, Washington, DC 20016 USA (E-mail: wanis@american.edu) Darren Kew** University of Massachusetts-Boston, Dispute Resolution Program, 100 Morrissey Boulevard, Boston MA 02125–3393 USA (E-mail: darren.kew@umb.edu) Received 24 January 2008; accepted 1 March 2008 Abstract...»

«1 Dissonance and Dissidents Dissonance and dissidents: The doom of the flattened supertonic within and without of heavy metal music. Sarha Moore Abstract The semitone note just above the key-note (flat second) is used deliberately and extensively within Heavy Metal music, its tense dissonance helping to produce music that evokes doom and omen. Robert Walser described this ‘other leading note’ as hanging claustrophobically above the tonic and the semitone pull downwards can be used to...»

«Souls’ Landscapes Contact : Uriel Barthélémi : +33 6 25 33 29 13 urielbarthelemi@gmail.com Souls’ landscapes Performance sous haute tension Cette rencontre à nu, intense et mouvementée, tend à faire de la scène le lieu de jaillissement d’un discours imagé, où l’énergie et la charge engagées dans chaque mouvement importent plus que le phénomène visible. Un espace où les masques, réels et imaginaires, se déploient ou se brisent pour essayer de dévoiler quelques unes des...»

«YIVO NEWS, no. 206 (Spring 2010) NEW ACCESSIONS TO THE YIVO LIBRARY AND ARCHIVES The following materials were received from January 1 to December 31, 2009. YIVO is grateful to the donors of these items.HISTORY Irwin Wall donated the extensive Jewish-related section of the papers of his late father-in-law, Abraham Melezin. The latter was a noted geographer who was born in Vilne and was active in the Polish resistance during the Nazi occupation of Lithuania. One of his major research interests...»

«STRATEGIC ENVIRONMENTAL ASSESSMENT OF MARINE RENEWABLE ENGERY DEVELOPMENT IN SCOTLAND Collision risks between marine renewable energy devices and mammals, fish and diving birds Report to the Scottish Executive 12th March 2007 Suggested citation: Wilson, B. Batty, R. S., Daunt, F. & Carter, C. (2007) Collision risks between marine renewable energy devices and mammals, fish and diving birds. Report to the Scottish Executive. Scottish Association for Marine Science, Oban, Scotland, PA37 1QA. TABLE...»

«Lincoln City Golf Strategic Plan for Sustainability Final Draft: January 28, 2014 Lincoln Municipal Golf Advisory Committee Clancy Woolman, Chair Tom Nesbitt, Vice-chair Bill Allen, Lincoln Senior Men’s Golf League Bradley Brandt, Parks and Recreation Advisory Board Susan Feely, Lincoln Women’s Golf Association Todd Fitzgerald, Parks and Recreation Advisory Board Sherrie Nelson, At-large Jerry Petersen, Lincoln Men’s Golf Association Lincoln Parks and Recreation Department Lynn Johnson,...»

«Interdependence Effects of Housing Abandonment and Renovation Author Ta m m i e X. S i m m o n s M o s l ey Abstract This study uses a methodology for analyzing the interdependence effects of abandonment and renovation for profit-maximizing landlords. After using a Prisoners’ Dilemma game of abandonment to establish the existence of the interdependence phenomenon between internal rates of return, a Stackelberg framework is employed to model the interdependence effects of abandonment and...»

«supplementary guidance HOUSE EXTENSION and ALTERATION DESIGN GUIDE WEST LOTHIAN COUNCIL delivers westlothian.gov.uk Introduction If you are considering extending your home, you need to be aware of the effect that the extension might have on the character of the street or area it is part of, and any effect that it might have on the quality of life of your neighbours. An extension should be sympathetic to the appearance of the existing house and to the needs of your neighbours. If it’s not well...»

«Waharoa (Matamata) Aerodrome Committee Open Agenda Notice is hereby given that an ordinary meeting of Waharoa (Matamata) Aerodrome Committee will be held on: Date: Friday 1 April 2016 Time: 9.30am Venue: Matamata Office Tainui Street, Matamata Membership Jan Barnes Mr Mokoro Gillett Mayor Cr James Thomas, JP Mrs Rangi Kaukau Cr Bob McGrail Mr Mike Diamond Phone: 07-884-0060 Address: PO Box 266, Te Aroha 3342 Email: chubbard@mpdc.govt.nz Website: www.mpdc.govt.nz Waharoa (Matamata) Aerodrome...»





 
<<  HOME   |    CONTACTS
2016 www.theses.xlibx.info - Theses, dissertations, documentation

Materials of this site are available for review, all rights belong to their respective owners.
If you do not agree with the fact that your material is placed on this site, please, email us, we will within 1-2 business days delete him.