WWW.THESES.XLIBX.INFO
FREE ELECTRONIC LIBRARY - Theses, dissertations, documentation
 
<< HOME
CONTACTS



Pages:     | 1 |   ...   | 8 | 9 || 11 | 12 |   ...   | 153 |

«FICHA TÉCNICA Título Segurança e Higiene Ocupacionais - SHO 2012 - Livro de Resumos Autores/Editores Arezes, P., Baptista, J.S., Barroso, M.P., ...»

-- [ Page 10 ] --

4. CONCLUSÕES A globalidade e enorme abrangência das características ergonómicas de um produto, bem como o grande número de envolvidos num processo de concepção, acabam por dificultar o trabalho dos ergonomistas e de outros profissionais igualmente envolvidos no processo. A utilização de ferramentas metodológicas facilita o processo de integração da ergonomia, originando uma melhoria consequente da usabilidade e qualidade do produto, sendo o QFD a ferramenta mais utilizada. A validade do método QFD para correlacionar as expectativas do cliente e as definições do produto é cada vez mais reconhecida, sendo esta ferrramenta capaz de fornecer soluções para alguns problemas de integração da ergonomia na concepção de produtos (Marsot, 2005 apud Haapalainen et al., 2000).

5. REFERÊNCIAS Anselmi, L. (2003). L’ usabilitá tra qualitá e siurezza. Milano, II Sole24ore.

Aviani, F.L.; Abrahão, J.I. (2007). A integração das diferentes dimensões do trabalho no projecto de centro de saúde. Ação Ergonómica. Vol.3 nº 1, pp. 01-13.

Bandini, B. L. (2001). Ergonômia e prodotto. Milano, II Sole24ore.

Bergquist, K.; Abeysekera, J. (1996). Quality Function Deployment (QFD) – A means for developing usable products. International Journal of Industrial Ergonomics 18, pp. 269-275.

Occupational Safety and HygieneInternational Symposium on

Bifano, S.A.; Romero, F.E. (2000).” Análise ergonómica da actividade como ferramenta de auxílio ao QFD no processo de desenvolvimento de produtos. In: 1º Congresso Brasileiro de Gestão de Desenvolvimento de Produtos.

Bonapace, L. (1999). The ergonomics of pleasure. In: Green, W.S.; Jordan, P.W. Human factors in product design: current Practice and future trends. Taylor and Francis, London.

Canciglieri Junior, O.; Brambilla, E. M.; Bittelbrunn, C. C. (2007) A usabilidade e a ergonomia no suporte às atividades de projeto em desenvolvimento de produtos. In: XXVII Enc. Nacional de Engª. De Produção (pp. 1 – 10). Foz do Iguaçu - PR.

Ilda, I. (1990). Ergonomia; projeto e produção. São Paulo: Ed. Edgard Blucher.

Jordan, P.W. (1999). Kansei engineering and design. In: Green, W.S.; Jordan, P.W. Human factors in product design: current Practice and future trends. Taylor and Francis, London.

Kaminski, P.C. (2000). Desenvolvimento de Produtos com planejamento, criatividade e qualidade. São Paulo: Livros Técnicos e Científicos.

Kuijt-Evers, L.F.M.; Morel, K.P.N.; Eikelenberg, N.L.W.; Vink, P. (2009). Application of the QFD as a design approach to ensure confort in using hand tools: Can the design team complete the House of Quality appropriately? Applied Ergonomics, v. 40, pp. 519Marsot, J. (2005). QFD: a methodological tool for integration of ergonomics at the design stage. Applied Ergonomics, v. 36, n.2,pp.

185-192.

Marsot, J.; Claudon, (2004). Design and ergonomics methods for integrating ergonomics at had tool design stage. International of Occupational Safety and Ergonomics (JOSE). V.10, n.1, pp. 13-23.

Martins, B.L.; Soares, M.M. (2000). Design Universal e Ergonomia: uma parceria que garante acessibilidade para todos. In:

Produção e Competividade: Aplicações e Inovações. Departamento de Engenharia de Produção/ PPEGP.

Paivinen, M. (2002). The assessment of ergonomics and usability of consumer products – Four case studies on hand tool. Thesis for degree of doctor, Tampere University, Tampere, Finland, 148 pp.

Pomian, J.L.; Pradere, T.; Gaillard, I. (1997). Ingénierie et ergonomie. CEPADUES Editions. Toulouse, 259pp.

Roussel, B. (1996). Ergonomie en Conception de produits: Proposition d’une method centrée sur la formulation de principes de solutions ergonomiques dans le processus interdisciplinaire de conception de produits. Thèse de Doctorat en Génie Industriel. Ecole Nationale Supérieure d’Arts et Métiers, Paris,245pp.

Sagot, J.C.; Gouin, V.; Gomes, S. (2003). Ergonomics in product design: safety factor. Safety Science, v. 41, pp. 137-54.

Soares, M.M.; Martins, L.B.(2000) Design universal e ergonomia: uma parceria que garante acessibilidade para todos. In: Almeida, A.T.; Souza, F.M.C. Produção e competividade: aplicações e inovações. Ed. Universitária da UFPE, Recife:pp. 127-156.

Toledo, J.C. (1994). Gestão da mudança da qualidade de produtos. Rev. Gestão & Produção, v.1, n.2, pp.104-124.

Simples prevenções para a melhoria da qualidade no ambiente de trabalho Prevention simple to improve quality in the workplace Andrzejewski, Neide a; Maia, Rosmeire Paez b; Prado, Luiz Mauricio Wendel c a

Associação Franciscana de Ensino Senhor Bom Jesus, Rua Rafael Arcanjo Machado, 81 – Curitiba - Brasil, email:

neidea@bomjesus.br; b Associação Franciscana de Ensino Senhor Bom Jesus, Rua Odilon Santana Gomes, 279 / 02 – Curitiba - Brasil, email: rosmeirem@bomjesus.br; c FAE Centro Universitário, Rua Capistrano de Abreu, 1052 / 02 – Curitiba – Brasil; email: luizwp@bomjesus.br

1. INTRODUÇÃO Quando foi a última vez que os bebedouros de água utilizados em sua empresa, ou até mesmo em sua casa foram limpos?

Quando foi realizada a última análise bacteriológica desta água? Estas são algumas perguntas que poucas pessoas realizam quando estão trabalhando, quando passeiam ou estão em casa.





A grande maioria dos estudos referentes à Saúde e Segurança do Trabalho está relacionada com a identificação dos riscos e ações a serem tomadas. Estes são princípios corretos na elaboração de qualquer política de segurança, mas determinados riscos são menosprezados, principalmente aqueles envolvendo aspectos simples de higiene e de limpeza com a água consumida que podem ser eliminados ou minimizados com ações preventivas.

2. METODOLOGIA A fim de comprovar que alguns aspectos referentes aos cuidados de higiene com a água são menosprezados, este trabalho realizou levantamentos em estabelecimentos comerciais obedecendo à seguinte metodologia, segundo Baptista (2007, Pág. 20):

- Onde o dado foi coletado? – Quem forneceu o dado? – Quem coletou o dado? – Quando o dado foi coletado?

– Ocorreu algum evento inusitado durante a coleta?

Portanto, os dados foram coletados em três estabelecimentos comerciais, sendo dois de área administrativa e um de academia esportiva. Estas empresas foram denominadas de “A” com 253 funcionários; “B” com 115 e “C” com 30 empregados, localizadas na grande Curitiba (Paraná – Brasil). Os dados foram fornecidos pelos próprios estabelecimentos através dos laudos originais, desde que os respectivos nomes não fossem divulgados. As coletas de água, para as análises bacteriológicas, foram realizadas por técnicos de um laboratório de análises ambientais, de renome nacional e com certificação ISO 9.000. Todas as amostras foram coletadas no período compreendido entre janeiro de 2010 e junho de 2011 seguindo uma planilha pré-determinada (pelos estabelecimentos) indicando pontos aleatórios ou que apresentaram problemas na leitura imediatamente anterior.

3. AÇÕES DE BEM ESTAR E PROMOÇÃO À SAÚDE A declaração de Alma-Ata realizada no Cazaquistão em 1978 foi formulada por ocasião da Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde, dirigindo-se a todos os governos, na busca da promoção de saúde a todos os povos do mundo. Ela reafirma que a saúde é um direito humano fundamental, e que a consecução do mais alto nível possível de saúde é a mais importante meta social mundial, cuja realização requer a ação de muitos outros setores sociais e econômicos, além de setor saúde (MENDES, 2004).

O Ministério da Saúde do Brasil (2005) apresentou dados sobre as Doenças Transmitidas por Alimentos – DTA entre 1999 e 2004, onde dos 3.727 surtos registrados, 1379 foram em residências, 893 em local ignorado, 524 ocorreram em restaurantes, 330 em escolas, 283 em refeitórios, 178 em outros locais, 95 em festas e 45 em unidades de saúde. Há alguns locais, como restaurantes, escolas e refeitórios, em que o intoxicado poderia estar a serviço da empresa, tanto em seu horário de refeição como na elaboração do alimento, o que poderia ser caracterizado como acidente de trabalho.

3.1 Qualidade da água consumida Um aspecto muito importante para a manutenção da qualidade de vida dos funcionários é uma política de manutenção de qualidade da água. Ela envolve tudo referente ao consumo de água, como por exemplo, as manutenções das caixas de água, cisterna e bebedouros de pressão e de galão.

Os procedimentos de limpeza das caixas de água e cisternas fazem parte desta política e que devem ser realizados a cada seis meses. É importante citar que as tampas e suas respectivas bóias também devem ser lavadas. Após esta limpeza, deve-se realizar a troca dos filtros dos bebedouros, principalmente os de pressão, pois pode ocorrer que alguma sujeira avance pela canalização.

Outro item que deve haver na política são as coletas periódicas (mensais) de amostras de água para a determinação da existência de microorganismos como bactérias heterotróficas, coliformes totais, coliformes fecais, pseudomonas aeruginosa entre outras.

Na tabela 1, é possível constatar a necessidade de manutenção (principalmente limpeza), pois em quase a metade das amostras das análises laboratoriais, foram encontrados microorganismos que classificaram a água como imprópria para consumo. Medidas como interdição de bebedouros de pressão e utilização de água mineral engarrafada para a produção de alimentos devem ser tomadas imediatamente, assim como uma nova limpeza dos reservatórios.

–  –  –

No levantamento realizado nas empresas analisadas na tabela 2, mais da metade das amostras apresentaram problemas de contaminação. Foi constatado que quando o filtro do bebedouro de pressão está saturado, as impurezas, entre elas os microorganismos não são filtradas, podendo ser consumidas pelo usuário. Portanto, há a necessidade da manutenção destes filtros periodicamente e, dependendo da frequência de utilização, a troca do elemento filtrante.

–  –  –

Situação semelhante de contaminação pode ocorrer nas torneiras, principalmente as que abastecem a cozinha. Na tabela 3, também se constata que mais da metade das análises apresentaram problemas de contaminação por microorganismos.

Neste caso, é possível fazer uma correlação entre as tabelas 1 e 3 envolvendo a empresa B, pois se a água estiver contaminada na caixa, certamente estará na saída. Mas se na caixa estiver ok e na saída não, pode significar que a tubulação está contaminada, principalmente se forem de ferro. Tanto as medidas de prevenção ativa quanto passiva são semelhantes às dos bebedouros de pressão.

–  –  –

3.1.1 Limpeza de bebedouro de galão A água mineral natural, por suas características "In natura", não passa por processos que alterem suas características, principalmente as bacteriológicas, desde o momento da captação até o envase. É importante lembrar a existência de microorganismos nos reservatórios de água e bebedouros, quando não higienizados de acordo com as instruções recomendadas, aumentando a possibilidade de contaminação, como pode ser verificado na tabela 4. Impressiona que, das 14 análises, 13 apresentaram contaminação microbiológica. Para estas situações é emergencial a desinfecção do bebedouro.

–  –  –

Os bebedouros devem sofrer desinfecção mensal para garantir a qualidade da água oferecida. Não basta que a água contida nos galões seja de qualidade, os recipientes e os aparelhos que a refrigeram devem ser alvo de vigilância e higiene para que o resultado final seja satisfatório. Para que estas necessidades sejam atendidas, foi desenvolvido o seguinte roteiro de limpeza dos bebedouros e procedimento quando da troca dos galões, mantendo os padrões de higiene

recomendados:

- Desligar o bebedouro e retirar o galão vazio;

- Lavar bem as mãos antes da manipulação;

- Esvaziar e limpar o reservatório, passando pano ou esponja macia, específico para este uso, embebido em hipoclorito de sódio a 2,5%;

- Encher o reservatório com água tratada (água da rede), colocar 5 ml de hipoclorito de sódio a 2,5% ou 8 gotas de hipoclorito de sódio 10 a 12%;

- Abrir um pouco as torneiras para escorrer a água clorada, fechá-la e deixar agir por 30 minutos;

- Limpar os orifícios das torneiras com hastes de algodão e abri-las esgotando toda a água do reservatório;

- Encher novamente o reservatório com água tratada, abrir as torneiras do bebedouro até esgotar toda a água;

- Retirar totalmente o lacre. Não esqueça que o galão deve ser lavado em sua parte externa, friccionar álcool 70% na parte que ficará em contato com a água no reservatório;

- Colocar o galão sem utilizar o gargalo como apoio;

- Limpar a gaveta que serve de anteparo para a água e ligar a tomada;

3.1.2 Lavagem das Mãos: Um pequeno gesto, uma grande atitude.

Ainda é recente na memória das pessoas o surto da gripe A (H1N1) que amedrontou boa parte da população mundial em 2009 e causou mortes em todo o globo. Com o medo de contato com o vírus através de um simples aperto de mão, novos hábitos foram adquiridos, como o da utilização do álcool gel e outros reforçados, como o da limpeza das mãos. Passados dois anos, as preocupações se minimizaram, mas os riscos nem tanto. Portanto, a simples medida de higienização das mãos antes de qualquer atividade, não só a da limpeza dos bebedouros, deve ser reforçada no ambiente laboral, onde o contato com outras pessoas e a possibilidade de contaminação varia diariamente (BRASIL, 2002). Podemos citar que a lavagem das mãos tem por finalidade: “diminuir o número de microorganismos; eliminar sujidades, substâncias tóxicas;

evitar disseminação de doenças e proteger a saúde do profissional” (www.philadelpho.com.br).



Pages:     | 1 |   ...   | 8 | 9 || 11 | 12 |   ...   | 153 |


Similar works:

«Access Provided by Rutgers University at 12/30/11 2:44PM GMT CODA: THE COST OF GETTING BETTER Suicide, Sensation, Switchpoints Jasbir K. Puar There are many things lost in the naming of a death as a “gay youth suicide.” In what follows, I offer a preliminary analysis of the prolific media attention to gay youth suicides that began in the United States in the fall of 2010. I am interested in how this attention recalls affective attachments to neoliberalism that index a privileged...»

«Examples of self-disclosure statements Examples of self-disclosure statements Downloaded from hub.unlock.org.uk Introduction This information provides four examples of self-disclosure statements. Important These examples have been written for guidance purposes only and should not be copied.  Self-disclosure statements need to be tailored to the specific vacancy you are applying for.  They should be personal to your own situation and give a genuine account of any mitigating  factors...»

«, 1;3 ~ MATTHEW RODRIQUEZ ('-.~ SECRETARY FOR ~ ENVIRONMENTAL PROTECTION Central Valley Regional Water Quality Control Board 19 June 2015 Abbess Markella Greek Orthodox Monastery of the Theotokos 38532 Dunlap Road Dunlap, California 93621 NOTICE OF APPLICABILITY (NOA), STATE WATER RESOURCES CONTROL BOARD ORDER WQ 2014-0153-DWQ-R5184, GENERAL WASTE DISCHARGE REQUIREMENTS FOR SMALL DOMESTIC WASTEWATER TREATMENT SYSTEMS, GREEK ORTHODOX MONASTERY OF THE THEOTOKOS, FRESNO COUNTY On 17 October 2014,...»

«AEONS Aeons are powerful elementals that have a variety of special abilities to aid the summoner in battle. These powerful beings aid the summoner by buffing allies, destroying enemies, and protecting that which is precious to the master. There is one limitation; a summoner only knows how to summon a limited number of aeons at any given level and only one aeon may be active at a time. Aeons have base statistics from when the summoner first obtains them, and they grow in power as the summoner...»

«THE ‘FRONTAL LOBE’ PROJECT A double-blind, randomized controlled study of the effectiveness of higher level driving skills training to improve frontal lobe (executive) function related driving performance in young drivers FINAL REPORT June 2008 FINAL REPORT Traffic and Road Safety Research Group Psychology Department University of Waikato Private Bag 3105 Hamilton Robert B. Isler, Ph.D. Phone: (07) 838 4466 ext. 8401, e-mail: r.isler@waikato.ac.nz Nicola J. Starkey, Ph.D. Phone: (07) 838 44...»

«Curriculum Vitae  PAOLO D’ODORICO  Ernest H. Ern Professor of Environmental Sciences  Department of Environmental Sciences, University of Virginia,  291 McCormick Rd., PO Box 400123, Clark Hall  Charlottesville, VA  22904‐4123, USA    E‐mail: paolo@virginia.edu  Education May 1998 Ph.D., Hydraulic Engineering, University of Padova, Italy. March 1994 M.S. (Laurea), Civil Engineering, University of Padova, Italy. Academic Appointments 2010Ernest H. Ern...»

«2010|11 Working Papers Reasons for refusals, their collection in surveys and interviewer impact Natalja Menold and Cornelia Zuell kölkölölk GESIS-Working Papers 2010|11 Reasons for refusals, their collection in surveys and interviewer impact Natalja Menold and Cornelia Zuell GESIS – Leibniz-Institut für Sozialwissenschaften 2010 GESIS-Working Papers GESIS – Leibniz-Institut für Sozialwissenschaften Postfach 12 21 55 68072 Mannheim Telefon: (0621) 1246 286 Telefax: (0621) 1246 100...»

«THE BALK REFERENCE. By Jim Booth (bio on last page) This document will not attempt to cover everything regarding balks. It will cover the most frequently asked questions. First, a bit about the basics of the balk rule. The purpose of the rule is to limit what the pitcher is allowed to do in an attempt to pick off a runner. Basically, it is pretty simple: He cannot fake one thing and then do another. He cannot fake a pitch and then throw to a base, or fake a throw to a base and then pitch. If...»

«Afrobarometer Briefing Paper No. 82 April 2010 TOLERANCE IN SOUTH AFRICA: EXPLORING POPULAR ATTITUDES TOWARD FOREIGNERS INTRODUCTION In May and June 2008, approximately 60 people were killed in a spate of violence that swept across South Africa. Journalists and academics used the term “xenophobia” to describe the attacks that left many foreigners injured or dead and thousands more displaced1. Yet, foreigners were not the only victims of this violence: roughly one-third of those killed were...»

«Kevin E. Miller Ending Renal Dialysis: Ethical Issues in Refusing Life-Sustaining Treatment Kevin E. Miller INTRODUCTION: BACKGROUND AND ISSUES As of 1991, approximately 230,000 people in the United States had end-stage renal disease (ESRD), 1 kidney disease that has irreversibly progressed to the point that there remains insufficient kidney function to sustain life. ESRD may result from a pathology affecting the kidneys alone, or it may be secondary to a systemic disorder, diabetes in the case...»

«MANUFACTURED HOUSING RESOURCE GUIDE Protecting Fundamental Freedoms in Communities BACKGROUND The right to speak out and meet with others to advance common issues is important in any context, but it is particularly important to homeowners in manufactured home communities. These homeowners own their home, but lease the land underneath the home. Their homes can be rendered unlivable if the community owner—the owner of the land— does not maintain the water, sewer and electric systems....»

«The ACF organization was created for one basic reason: To promote a professional image of American chefs worldwide through education of culinarians at all levels from apprentices to the most accomplished certified master chefs of the culinary arts. VISIT OUR WEBSITE AT Steven Jayson CEC, AAC www.acfcfc.com 2000 National Chef of the Year 2016 ACF/CFC Show Chairman US Foods Presents: The 2016 ACF Culinary Arts Competition R.L. Schreiber Apprentice / Junior Member Florida State Championship The...»





 
<<  HOME   |    CONTACTS
2016 www.theses.xlibx.info - Theses, dissertations, documentation

Materials of this site are available for review, all rights belong to their respective owners.
If you do not agree with the fact that your material is placed on this site, please, email us, we will within 1-2 business days delete him.